Dicionário Finantor: Juros Compostos

Escrito por : <b>Hirbis Girolli</b>

Escrito por : Hirbis Girolli

Os juros compostos são um conceito de matemática financeira muito importante para as nossas vidas.

Em termos básicos, assim como os juros simples, eles têm a ver com o valor do dinheiro no tempo. É o pagamento que alguém recebe por ter adiado o uso (consumo) daquele dinheiro agora para usar depois.

Por isso, os juros podem aparecer tanto ao investir dinheiro quanto ao contrair dívidas através de empréstimos e financiamentos.

Mas você sabe como eles funcionam?

Neste conteúdo, apresentamos as principais informações sobre os chamados “juros sobre juros”, mostrando como podem trabalhar a favor ou contra as suas finanças.

Siga acompanhando!

E não deixe de ver: no final do texto, sempre que possível, fazemos um esforço para trazer analogias e metáforas que ajudam a resumir e a fixar melhor cada um dos termos do dicionário Finantor.

O que são juros compostos? #

Os juros compostos são o cálculo dos juros realizado sobre o valor principal somado aos juros já acumulados.

A definição clássica é essa, mas ainda pode gerar alguma confusão.

Por isso, vamos com calma para que você possa entender direitinho, está bem?

Os juros são uma remuneração sobre algum valor.

Então, quando um investimento financeiro gera juros ou uma dívida os cobra, o cálculo é feito sobre o montante investido ou sobre o capital devido.

Acontece que, com o trabalho dos juros compostos, a conta é um pouco diferente.

Ela é feita sobre a quantia aplicada e, também, sobre os juros que vão sendo acumulados ao longo do tempo.

Dessa forma, eles recebem o nome de “juros sobre juros”.

Isso pode ser bom ou ruim para as suas finanças.

Bom porque, ao aplicar dinheiro, o rendimento se torna mais atrativo.

Ruim porque, ao contratar crédito, o valor da dívida aumenta bastante e de forma rápida.

Como funcionam os juros compostos #

Nada melhor do que um exemplo para que você compreenda como funcionam os juros compostos, não é verdade?

Então, pense que você investiu R$ 1.000 em algum ativo e que a remuneração é de 1% ao mês.

Assim, no mês “zero”, o capital é de R$ 1.000. Trinta dias depois, o saldo estará dessa forma:

  • 10% de R$ 1.000 = R$ 10
  • Saldo 1 = R$ 1.000 + R$ 10 = R$ 1.010

Já no segundo mês de investimento, o cálculo dos juros sobre juros será feito sobre o valor total em vez de ser realizado sobre o capital inicialmente investido.

Então, o saldo do 2º mês será de:

  • 10% de R$ 1.010 = R$ 10,10
  • Saldo = R$ 1010 + R$ 10,10 = R$ 1.020,10

Deu para perceber como trabalham os juros sobre juros?

É por isso que o montante sempre cresce mais rápido do que em uma operação de juros simples.

Dúvidas importantes sobre juros compostos #

Ainda com dúvidas sobre os juros compostos?

Não se preocupe, pois temos algumas outras respostas para você.

Qual a diferença entre juros simples e juros compostos? #

Os juros simples, ao contrário dos compostos, trabalham apenas sobre o capital inicial.

Vamos pegar o exemplo anterior.

No caso do investimento citado, se a rentabilidade fosse calculada com os juros simples, o cálculo seria esse:

  • Capital Inicial = R$ 1.000
  • Saldo mês 1 = R$ 1.000 + R$ 10 = R$ 1.010
  • Saldo mês 2 = R$ 1.010 + R$ 10 = R$ 1.020.

No caso dos juros sobre juros, o valor total seria R$ 0,10 maior para o mesmo tempo de aplicação.

Isso considerando apenas 30 dias de juros.

Em grande escala e em períodos maiores, a diferença de rentabilidade entre as maneiras de calcular os juros pode ser realmente impactante.

Qual é a fórmula de juros sobre juros? #

Existe uma fórmula simples e rápida para encontrar o saldo de um investimento ou dívida com aplicação dos juros sobre juros.

É a seguinte:

  • M = C (1+i) t

Nela:

  • M = montante final
  • C = capital inicial
  • i = taxa de juros
  • t = período de tempo.

Então, basta aplicar os números e encontrar o valor final da aplicação.

Como calcular juros compostos na calculadora HP? #

Outra maneira bem fácil de fazer as contas dos juros sobre juros é utilizando a calculadora HP 12c.

Para isso, basta seguir este passo a passo na máquina ou no emulador online:

  1. Insira o valor inicial e pressione “CHS” e “PV”
  2. Em seguida, informe período da aplicação e aperte “n”
  3. Depois, digite o valor da taxa de juros e pressione “i”
  4. Por fim, aperte FV e o valor final aparecerá.

Analogias e metáforas sobre juros compostos: o “efeito bola de neve#

Nos desenhos animados, você já deve ter visto uma representação de como cresce uma bola de neve que está descendo a montanha.

À cada giro que a bola dá, ela fica maior, aumentando o seu diâmetro. Então, no giro seguinte, ela consegue adicionar ainda mais neve em sua superfície.

Esse processo se repete rápido, e uma bola que começou pequena lá em cima, se torna um colosso lá embaixo.

Essa é uma metáfora muito boa para os juros compostos.

Não é à toda que os americanos têm uma expressão em finanças para representar o fenômeno do crescimento acelerado de um montante pelo efeito dos juros compostos.

Ele recebe justamente o nome de efeito bola de neve, ou “snowball effect”.

Quer descobrir outras informações importantes sobre planejamento financeiro para seu uso pessoal ou até para fazer disso um novo trabalho?

Então, acompanhe o vocabulário de economia, investimentos e finanças pessoais através do Dicionário Finantor.

Hirbis Girolli

Hirbis Girolli

Fundador da Plataforma Finantor

Comentários

    Artigos Relacionados