IPCA

Escrito por : <b>Hirbis Girolli</b>

Escrito por : Hirbis Girolli

O IPCA é o mais importante indicador da inflação no país. 

Além de servir como termômetro da economia nacional, é também utilizado como indexador para diversos investimentos de renda fixa.

Por isso, entender e acompanhar o que ele revela é necessário para administrar e planejar adequadamente suas finanças.

Quer saber mais sobre o IPCA? 

Então, convidamos você a continuar com sua leitura e dominar tudo sobre o indicador da inflação.

Acompanhe!

E não deixe de ver: no final do texto, sempre que possível, fazemos um esforço para trazer analogias e metáforas que ajudam a resumir e a fixar melhor cada um dos termos do Dicionário Finantor.

O que é IPCA?

IPCA é a sigla para Índice de Preços ao Consumidor Amplo. 

Sua principal função é medir a variação de preços de itens de consumo em determinada quantidade de tempo.

Ou seja, o IPCA mede a inflação do país em certo período.

Seu alcance é de cerca de 90% da população brasileira, já que o alvo do estudo são famílias que têm renda de 1 a 40 salários-mínimos.

Por isso, ele é considerado um dos principais indicadores econômicos do Brasil, mensurando o processo inflacionário de forma ampla.

Criado em 1979, o dado é coletado e divulgado regularmente pelo IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

Como funciona o IPCA

De forma resumida, você viu que o IPCA é o índice da inflação. 

Isto é, ele é o número que indica o quanto os preços subiram em certo período de tempo. 

Caso seja negativo, o IPCA aponta um processo de deflação – ou seja, queda dos preços.

Se o índice for de 5% em um ano, por exemplo, isso significa que houve aumento geral acumulado de 5% nos valores avaliados.

Alguns bens e serviços podem ter tido outras variações – inclusive, queda – já que o IPCA é a média de altas e baixas dos preços. 

O importante, então, é considerar a perda do poder de compra que o indicador mensura.

No mesmo exemplo, se uma pessoa comprava 10 itens com R$ 100 no começo do ano, ela vai precisar de R$ 105 para adquirir os mesmos produtos após o acúmulo da alta de 5%.

Na prática, a inflação significa perda real da capacidade de compra do dinheiro. E é isso que o IPCA mede.

Dúvidas importantes sobre IPCA

A seguir, apresentamos outras informações relevantes para que você compreenda o IPCA e como impacta suas finanças de forma significativa.

Qual a importância do IPCA nos investimentos?

Como mencionamos, a inflação tem como principal medidor o IPCA.

Tomando essa informação como base, podemos dizer que o índice coletado pelo IBGE impacta os investimentos de duas formas:

Rentabilidade é a taxa de ganhos líquidos do investidor. 

Ou seja, ela é o percentual do lucro que uma pessoa tem após retirar todos os custos de uma aplicação.

Nesse caso, a inflação pode ser entendida como um dos “custos” que o investidor tem. 

Afinal, ela corrói o poder de compra do dinheiro. Então, a rentabilidade dos investimentos também deve considerar a inflação. 

Se um ativo consegue remunerar com taxas maiores do que o IPCA, pode-se dizer que ele obteve ganhos reais com a aplicação.

Por outro lado, o IPCA também é um indexador de opções de renda fixa. 

O Tesouro Direto, por exemplo, pode pagar juros aos investidores com a taxa anual de IPCA + 3,98% como retorno fixo.

Como o IPCA é calculado?

O IPCA é composto pela variação de preços de diferentes itens de consumo da população brasileira. 

O índice considera os seguintes setores para avaliar o aumento ou queda geral dos preços:

  • Alimentação e bebidas
  • Habitação
  • Artigos de residência
  • Vestuário
  • Transportes
  • Saúde e cuidados pessoais
  • Despesas pessoais
  • Educação
  • Comunicação.

Quando é divulgado o IPCA do mês?

O IBGE mensura a variação de valores entre os dias 01 e 30 do mês, fazendo a divulgação do resultado entre os dias 11 e 20 do mês posterior ao avaliado.

Dessa forma, para cuidar melhor do seu dinheiro e fazer escolhas financeiras mais acertadas, continue com as suas pesquisas no Dicionário Finantor.

Analogias e metáforas sobre o IPCA: o “direto” da inflação sobre o seu orçamento

Diferente do IGP-M, que também capta a inflação que atinge os produtores de bens e serviços, o IPCA mostra a variação de preços apenas na “ponta” do consumo.

Por isso, sua medição ocorre sempre naqueles estabelecimentos ou serviços que atendem diretamente ao consumidor.

Supermercados, postos de gasolina, escolas particulares, farmácias e empresas de transporte são exemplos de locais de medição.

Logo, o IPCA é um golpe da inflação sobre o orçamento de 90% da população brasileira, achatando seu poder de compra.

Para bloquear esse golpe, quando se trata da renda do trabalho, a saída é buscar ganhar mais, sempre em níveis mais elevados do que a variação do IPCA.

Já no caso das reservas financeiras, é fundamental que elas estejam investidas em aplicações cuja rentabilidade seja no mínimo igual – e de preferência maior, é claro – que a variação do IPCA. Sobretudo no longo prazo.

Gostou do conteúdo? Esperamos que sim!

Então, continue a descobrir mais sobre os principais termos do universo financeiro pesquisando no Dicionário Finantor.

Hirbis Girolli

Hirbis Girolli

Fundador da Plataforma Finantor

Comentários

    Artigos Relacionados