IGP-M

Escrito por : <b>Hirbis Girolli</b>

Escrito por : Hirbis Girolli

Você já deve ter visto que o IGP-M é utilizado na correção do valor de aluguéis. Mas sabe dizer por que ele é usado nesse cálculo? 

O Índice Geral de Preços – Mercado funciona como um importante indicador macroeconômico. 

Afinal, ele mede a inflação de forma mais ampla do que o IPCA, permitindo uma visão abrangente sobre a economia brasileira.

Além disso, é o indexador de alguns investimentos de renda fixa – como títulos públicos do Tesouro Nacional. 

Neste conteúdo, vamos trazer mais informações e curiosidades sobre o IGP-M, o Índice Geral de Preços – Mercado.

E não deixe de ver: no final do texto, sempre que possível, fazemos um esforço para trazer analogias e metáforas que ajudam a resumir e a fixar melhor cada um dos termos do dicionário Finantor.

O que é IGP-M?

IGP-M é a sigla para Índice Geral de Preços – Mercado. 

Calculado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), ele indica o nível de atividade econômica do Brasil.

O índice é divulgado mensalmente pela FGV desde quando foi criado, em 1940. 

Ele mensura a variação de preços de diferentes atividades entre os dias 21 do mês anterior e dia 20 do mês de coleta.

O IGP-M apura o preço de setores variados, que vão desde matérias-primas agrícolas e industriais até a bens e serviços. 

Assim, ele é considerado um amplo indicador do processo inflacionário nacional.

O índice faz parte da série de Índice Geral de Preços (IGP), que também tem outros 2 indicadores – IGP-10 e IGP-DI.

Como funciona o IGP-M

O IGP-M é encontrado através da apuração do preço de diferentes itens da economia no Brasil. 

Assim, ele mede a variação dos valores entre um mês e outro.

Seu resultado aponta se houve inflação, deflação ou se os números se mantiveram estáveis durante o período.

Ou seja, o índice verifica se, no tempo apurado, houve aumento, queda ou manutenção dos preços.

O indicador é ainda mais amplo do que outro que mensura o processo inflacionário brasileiro: o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), o mais famoso indicador da inflação.

No entanto, enquanto IGP-M avalia diversos segmentos da economia, o IPCA fica restrito à variação dos preços no comércio para o público final.

Dúvidas importantes sobre IGP-M

A seguir, apresentamos outras informações sobre o IGP-M que você precisa conhecer. 

Então, acompanhe e veja respostas às dúvidas mais comuns sobre o índice.

Para que serve o IGP-M?

O índice tem como principal função mensurar a variação de preços no mercado brasileiro em determinado espaço de tempo. 

Dessa forma, ele apura o processo inflacionário do período.

Mas o IGP-M também é utilizado como indexador de contratos de:

  • Empresas prestadoras de serviço, como telefonia, educação e planos de saúde
  • Aluguel
  • Alguns investimentos de renda fixa.

Como é feito o cálculo acumulado do IGP-M?

O indicador é encontrado utilizando dados de outros índices econômicos, que são os seguintes:

A partir daí, é realizada a média aritmética ponderada desses indicadores, considerando 60% para o IPA, 30% para o IPC e 10% para o INCC.

Como calcular o reajuste de aluguel pelo IGP-M?

Como você viu, alguns contratos de aluguel são reajustados com base no IGP-M.

Assim, para saber o valor da despesa para o novo ano contratado, basta multiplicar o aluguel mensal pelo índice acumulado do ano, somando o aumento ou queda.

Por exemplo: em 2019, o IGP-M acumulou alta de 7,30%. 

Se um aluguel tem o custo de R$ 1.500 por mês, a despesa mensal em 2020 será de:

  • Aluguel reajustado = R$ 1.500 + (R$ 1.500 x 7,30%)
  • Aluguel reajustado = R$ 1.500 + R$ 109,50
  • Aluguel reajustado = R$ 1.609,50.

Você viu neste conteúdo que o IGP-M é um índice que mede a inflação da economia brasileira e é utilizado para reajuste de contratos, como aluguéis e prestação de serviços.

Dessa forma, para cuidar melhor do seu dinheiro e fazer escolhas financeiras mais acertadas, continue com as suas pesquisas no Dicionário Finantor.

Analogias e metáforas sobre IGP-M: os problemas da inflação nas raízes da produção e do consumo

Considere que o sistema econômico do país seja uma árvore como essa. Logo, problemas nos galhos e folhas representariam uma inflação mais visível ao consumidor final.

É o caso daquela medida por um índice como o IPCA, por exemplo.

Para esse consumidor final, é mais difícil identificar eventuais deformidades que afetam as raízes da árvore.

Tais raízes representam as transações e os preços praticados entre produtores. Em geral, entre fornecedores de insumos e indústrias.

O IGP-M é um indicador de inflação com esse poder de captar as anomalias inflacionárias nas raízes das cadeias produtivas.

Dois terços do índice são compostos por indicadores assim: o IPA (índice de Preços ao Produtor Amplo) e o INCC (Índice Nacional de Custo da Construção).

Por conta disso, são comuns as situações em que o IGP-M antecipa movimentos inflacionários que vão acontecer só depois com os preços finais ao consumidor.

A exceção fica por conta dos aluguéis, uma verdadeira raiz mais exposta no nosso sistema de preços, por ser normalmente indexada pelo IGP-M.

Gostou do conteúdo? Esperamos que sim!

Então, continue a descobrir mais sobre os principais termos do universo financeiro pesquisando no Dicionário Finantor.

Hirbis Girolli

Hirbis Girolli

Fundador da Plataforma Finantor

Comentários

    Artigos Relacionados